Notícias Internacionais

Os dízimos oriundos da Divisão Norte-Americana constituem, há muito tempo, a maior parte do orçamento mundial Adventista do Sétimo Dia, mas um enorme aumento de membros em África, na Ásia e na América Latina está a inverter esta tendência de décadas.

Se o panorama religioso continuar a apresentar uma rápida mudança demográfica, é provável que, em cinco anos, os recursos financeiros providenciados pelos países do chamado Sul Global ultrapassem o valor entregue pelo Norte Global.

Esta foi a conclusão anunciada pelo Relatório do Secretário, no Conselho Anual de 2012 da Igreja Adventista, que se reuniu em Silver Spring, Maryland, nos EUA.

“A Europa e os Estados Unidos já não estão no epicentro do mundo cristão, visto que a maioria dos cristãos reside atualmente fora destes dois continentes”, referiu o secretário G. T. Ng aos cerca de 350 delegados.

Julga-se que a mudança demográfica tenha começado há cerca de 50 anos e não se limite à Igreja Adventista. No entanto, as implicações para o adventismo são potencialmente maiores, sugeriu Ng, e vão desde uma redistribuição de recursos da Igreja para uma "inversão do movimento missionário", cujas noções de "país que envia" e "país que acolhe" deixam de fazer sentido.

Em 1960, a Igreja Adventista enviou 490 missionários a longo prazo, sendo que aproximadamente 90% são originários da América do Norte, Europa e Austrália, regiões que são conhecidas como o Norte Global. Mas em 2010, a percentagem de missionários provenientes do Norte Global caiu para 54%, devido a um aumento de missionários enviados pela Divisão da Ásia-Pacífico Sul, Divisão Sul-Americana, e Divisão Interamericana.

"O paradigma", disse Ng, "realça o potencial do Sul Global para evangelizar o Norte Global".

O crescimento explosivo na África, Ásia e América Latina ocorreu simultaneamente com o crescimento lento e a estagnação da Europa e dos Estados Unidos, que se deveu em parte devido ao envelhecimento dos membros, explicou Ng. Todas as 15 Uniões, cujo número de membros diminuiu entre 2000 e 2010, faziam parte das três divisões europeias.

Em 1960, a Igreja no Sul Global tinha cerca de 675 mil membros, o que representava 54 porcento dos membros a nível mundial. Meio século mais tarde, em 2010, o número de membros do Sul Global subiu para 16 milhões, ou seja, 91,5 porcento do total mundial.

ANN