Notícias Internacionais

Foram reportados mais de 2000 mortos depois de um sismo de 7.2 de magnitude atingir a península sul do Haiti. Até à data os líderes da Igreja Adventista confirmaram que 12 membros de igreja estão entre as fatalidades.

“Estou devastado pela dor com todos os relatos e fotografias que nos têm chegado por parte da liderança da igreja da zona sul do território,” disse o Pastor Pierre Caporal, presidente da igreja no Haiti. “Não sabemos do paradeiro de muitos dos nossos membros porque há estradas e vilas em que não se pode passar devido aos estragos feitos pelo terramoto.”

Membros ainda desaparecidos

Caporal, que tem estado a monitorizar a situação a partir de Port-au-Prince, disse que o número de vítimas continua a aumentar.

“Até agora sabemos que 21 membros ficaram feridos e que há 20 casas de membros destruídas,” disse ele. Os líderes da igreja ainda estão à espera de ouvir atualizações sobre as áreas inacessíveis e criaram uma comissão especial para averiguar quais as necessidades mais urgentes dentro da nossa comunidade.

Cinco igrejas Adventistas ficaram destruídas e mais sete ficaram parcialmente danificadas, relatou Caporal. Seis escolas também sofreram estragos.

“As pessoas ainda estão com muito medo uma vez que têm sido sentidas réplicas depois do terramoto principal,” disse Caporal. “Muitos temem um tsunami.”

É difícil esquecer a destruição causada pelo terramoto de 2010 que atingiu Port-au-Prince, matando mais de 200,000 pessoas, disse ele. Agora, com a aproximação da Tempestade Tropical Grace que trará fortes chuvas à ilha, “os efeitos dos desastres estão muito vívidos nas mentes de muitos.”

A ADRA Haiti tem estado no terreno a avaliar as necessidades mais urgentes na comunidade horas depois de se dar o terramoto, disse Caporal.

Uma equipa de médicos e enfermeiros foi enviada pela União com algum pessoal do hospital Adventista de Les Cayes, uma cidade costeira do sul da península que foi fortemente atingida pelo terramoto, para avaliar e ajudar os que mais precisam, disse Caporal. “Vamos continuar a monitorizar e trabalhar para providenciar assistência aos nossos membros afetados.”

Hospital Adventista oferece cuidados a tempo inteiro

O Hospital Adventista do Haiti, sediado em Diquini, Carrefour, em Port-au-Prince, atendeu pacientes sem parar desde as 17h do dia 14 de Agosto, disse o Dr. Scott Nelson, médico chefe e cirurgião ortopédico no Hospital Adventista do Haiti. “Desde sábado à tarde que começámos a trabalhar noite dentro, todo o dia no Domingo e na Segunda-feira,” disse o Dr. Nelson. Os pacientes não param de chegar ocupando as 22 camas extra na nova ala que tem estado a ser renovada.   “Alguns pacientes foram colocados no chão, outros mesmo lá fora enquanto a tempestade tropical nos atingia.”

A grande maioria dos pacientes requerem cirurgia ortopédica e os pacientes continuam a ser referenciados aqui para o hospital para cirurgia, explicou Scott. “Entrou uma paciente vinda de Les Cayes depois de ter corrido para fora do edifício onde estava quando este começou a colapsar, o homem que tentava escapar ao lado dela não sobreviveu,” disse ele. “Ela chegou até nós com fraturas no fémur em ambas as pernas e pudemos operá-la. Ela reagiu bem e amanhã já conseguirá fazer o levante.”

O hospital montou 6 tendas no exterior para assistir à acorrência de pacientes feridos, disse Jere Chrispens, administrador do hospital. “O nosso hospital é único na oferta de cirurgia a traumas e permanece focado nos pacientes que podem ir e vir e em recuperação,” disse Chrispens. Muitos hospitais de área estão enviar pacientes para cirurgia em troca de cuidados no pós operatório, acrescentou ele.

“As nossas equipas cirúrgicas têm estado a trabalhar 16-20 horas por dia em cada um dos três blocos operatórios do hospital,” disse Chrispens. “Isto pode durar semanas.”

A trabalhar acima de 50 porcento da sua capacidade máxima

Cinco elementos médicos da Universidade de Loma Linda e de outras partes dos Estados Unidos chegarão ao Haiti tna próxima semana para aliviar o pessoal médico que tem estado a trabalhar quase 24 horas por dia, de acordo com Chrispens. Para além disto, cerca de 10-12 voluntários das igrejas locais têm estado a ajudar na cozinha e nos serviços de lavandaria, disse ele.

“O nosso hospital está a trabalhar 50 porcento acima da sua capacidade máxima,” disse Chrispen. O hospital tem 50 camas disponíveis, 36 para adultos e 14 para pediatria, mas com o aumento do número de pacientes, o hospital está a arranjar espaço para mais 60-65 camas para assistência aos pacientes adultos, acrescentou ele.

Uma equipa da Universidade de Loma Linda vai continuar a coordenar a vinda de pessoal médico que virá ajudar com as cirurgias nas próximas semanas, disse Chrispens. Para além disto, serão enviados materiais médicos para o hospital nos próximos dias. “Estamos a trabalhar para combinarmos esforços com a união, hospital e a ADRA Haiti para dar assistência às vítimas,” disse ele.

Pessoal Hospitalar melhor treinado para enfrentar as crises

A magnitude dos feridos não se compara com o influxo de pacientes que inundaram o hospital há 11 anos, disse Chrispens, mas o hospital, que tem um pessoal de 200 elementos tem estado a trabalhar arduamente para cuidar dos feridos, mesmo os casos de pacientes externos regulares de urgência que ocorrem diariamente.

“Os feridos que vemos não nos são desconhecidos, uma vez que temos imensa experiência devido ao que se passou há 11 anos,” disse o Dr. Nelson, que efetuou centenas de cirurgias ortopédicas desde 2010. A diferença é que o hospital e o pessoal estão muito mais preparados para enfrentar esta crise e fazem uma enorme diferença junto das pessoas afetadas por este desastre.” O hospital está comprometido em prestar cuidados de longa duração, como reabilitação e operações adicionais, acrescentou ele.

“Somos privilegiados por aqui estar e por podermos tratar destas pessoas maravilhosas,” disse Nelson. “É incrível poder testemunhar a cura que vem do alto e ver os nossos pacientes já a conseguirem levantar-se depois de grandes cirurgias.”

Os membros devem continuar alerta

O recente terramoto é um lembrete do que diz a Bíblia acerca do fim dos tempos, disse Caporal.

“Estamos a enfrentar inúmeros desafios, mas precisamos de fixar os nossos olhos em Jesus porque sabemos que todos estes eventos são sinais ao redor do mundo de que Ele virá em breve,” disse Caporal, que transmite esta mensagem diariamente em reuniões, a líderes, membros e pessoas na comunidade da igreja através da rádio Voix de l’Esperance. “Ao trazermos conforto e assistência, queremos que as pessoas saibam que é suposto estarmos vivos e vigilantes nesta altura pois a nossa libertação está próxima,” disse Caporal.

Para atualizações sobre a Igreja Adventista do Sétimo Dia no Haiti no rescaldo do recente terramoto, visitem interamerica.org