Notícias Nacionais

O Departamento de Liberdade Religiosa e Assuntos Públicos da IASD participou num Encontro sobre assuntos relacionados com diversidade, integração e inclusão de minorias, em Cracóvia, na Polónia.

O Diretor do referido Departamento da IASD foi convidado para representar o GT-DIR na conclusão do Projeto MURAL, em Cracóvia, Polónia, entre os dias 3 e 6 de novembro último. O Projeto MURAL engloba entidades de seis países europeus, sendo dinamizado pelo British Council e apoiado pela União Europeia, cuja representação em Portugal esteve a cargo do Alto Comissariado das Migrações. O seu objetivo foi a discussão sobre a estado atual de questões ligadas a diversidade, integração e inclusão nesses países, bem como de lançamento de projetos e iniciativas que possam minorar os efeitos da discriminação e da exclusão de indivíduos e grupos. Para além das migrações e da discriminação por motivos étnicos, esteve em debate o fenómeno religioso e os desafios de convivência na sociedade. Entre quatro oradores convidados, foi precisamente sobre este último que nos foi pedido para falar.

Este encontro foi uma oportunidade para refletir e testemunhar em favor da liberdade religiosa e do diálogo inter-religioso, numa perspetiva da IASD e a partir da experiência do GT-DIR. A nossa alocução teve como ponto de partida a noção de dignidade humana e da liberdade de consciência, culto e religião como um dos seus fundamentos. Depois, da noção generalizada de que Portugal se constitui como uma exceção na Europa, em termos de respeito por esses valores e de ambiente favorável à diferença religiosa. 

Finalmente, a nossa intervenção deixou claro que este diálogo é um de não abdicação de identidade própria e de respeito pela diferença alheia, sem motivação de uniformidade em função da crença religiosa, mas disponível para o bem comum através da mensagem específica de cada um. Terminámos, pois, com uma ideia, que descrevemos como sendo, este, um percurso que não tem um objetivo final, nem o poderia ter, mas que percorremos juntos; para o qual não idealizamos, nem queremos idealizar destino, mas o qual estamos, pela inevitável partilha do espaço comum, cada um a trilhar no seu próprio caminho, cruzando-nos, por vezes, em princípios, valores e interesses comuns, para benefício de todos.   

Foi, para nós, um privilégio, em nome da IASD e segundo os seus valores, representar o GT-DIR, a convite do Alto Comissariado das Migrações. Esta foi mais uma oportunidade de procurar influenciar para o bem pessoas e grupos com os quais entramos em contacto – neste caso, face à diversidade de interlocutores e das suas agendas, uma oportunidade verdadeiramente desafiadora, como desafiador é o tempo que vivemos. Fazemo-lo, como sempre, de acordo com um conselho inspirado, procurando estar disponíveis para todos, sem comprometer princípios:

“Devemos unir-nos aos outros e caminhar com eles até onde seja possível sem sacrificar nenhum princípio… nós não devemos trabalhar só para a nossa igreja.” (E. G. W. – Review and Herald, 21 de outubro de 1884).    

HOPE Portugal | Departamento de Liberdade Religiosa e Assuntos Públicos da IASD