Notícias Internacionais

Ted N.C. Wilson, presidente da Igreja Adventista do Sétimo Dia, apelou aos membros da igreja em todo o mundo para orarem, visto que um violento ciclone se abateu sobre Moçambique.

“Louvamos a Deus pelo seu maravilhoso poder e proteção na Beira, em Moçambique, durante o horrível Ciclone Idai.  Através de mensagem recebida da administração da Divisão Sul África-Oceano Índico, parece que as pessoas estão seguras na beira, em Moçambique, e damos glória a Deus por isso!  Obrigada pelas vossas orações. Infelizmente, parece haver um estrago considerável na Universidade Adventista de Moçambique na Beira.  Por favor, orem pela limpeza e reparações que precisarão de ser feitas depois deste ciclone.  As comunicações, no geral, e as infraestruturas aparentemente não estão a funcionar bem.  Esperamos ter um relatório mais detalhado quando as comunicações estiverem restauradas.  Continuem a orar, uma vez que parece que esta noite irão voltar a sentir-se ventos fortes naquele local.  orem também por todos os que ainda vão estar no caminho desta tempestade ainda ativa noutros países, como o Maláui e o Zimbabué.  Deus ouve as nossas orações.  Obrigada por orarem.  Servimos um Deus poderoso!"

O Ciclone Idai chegou a terra com ventos de 165 km/hora ao fim do dia 14 de Março, perto da Beira, um porto com cerca de 500,000 habitantes onde a Igreja Adventista opera a Universidade Adventista de Moçambique.

Uma equipa de líderes da igreja conduzida por Alberto Timm, diretor associado do Património de Ellen G. White na Conferência Geral, estavam a apresentar uma Conferência Internacional Missionária e Bíblica na universidade quando a tempestade atingiu a zona, no início da semana.

“orem pelos membros da nossa igreja em Moçambique, especialmente aqueles que estão na nossa universidade na Beira,” disse Wilson na sua página do Facebook. “Um grande ciclone está a assolar a área, e já há danos na Universidade Adventista de Moçambique.”

Também solicitou orações para quem está em Moçambique e no Maláui, já afetados pelo ciclone, que atingiu terra pela primeira vez a meio da semana, fazendo voar a cobertura de pelo menos um dos edifícios da universidade e causando outros estragos, antes de se dirigir para o mar.

Na sua primeira passagem, o Ciclone Idai matou pelo menos 122 pessoas em Moçambique e no Maláui, segundo informações do Weather Channel. A BBC disse que Moçambique se preparava para o “pior cenário possível” à medida que o ciclone se fortalecia, regressando na noite do dia 14 de Março.

Horas antes disto acontecer, o presidente da universidade, Heraldo V. Lopes, contabilizou os estragos iniciais num vídeo publicado na página de Facebook do presidente Wilson.

"Aqui foi onde o telhado voou,” disse ele em Português, mostrando um edifício com construção em tijolo sem telhado. “Oramos a Deus para que mais nada aconteça à universidade.”

A universidade foi, anteriormente, escolhida para ser uma das instituições a receber uma oferta de 13º sábado, a ser recolhida no último sábado de Março, 2019. Os fundos visam ajudar a expandir a popular escola de nutrição da universidade.

Depois da primeira fase da tempestade, a conferência Bíblica foi suspensa até notícias em contrário. Timm e outros líderes da igreja, incluindo vários pertencentes à Divisão Sul África-Oceano Índico, mudaram-se para um hotel na esperança de evitar vagas da tempestade, que se prevê que atinjam pelo menos 6 metros de altura.

“Estão alojados no segundo e terceiro piso, escondidos nas casas de banho, que são provavelmente o local mais seguro,” disse Wilson, que tem estado em contacto com Timm e a sua esposa, Marly, que está nos Estados Unidos.

Ele reiterou o seu apelo por orações em favor de Moçambique e do Maláui, assim como por Africa do Sul e Zimbabué, que também podem estar na senda do ciclone.

“Que benção sabermos que vamos para casa, para o céu, em breve onde não vão existir calamidades,” disse ele. “Participemos no Envolvimento Total dos Membros, ajudando as pessoas física, mental, social e espiritualmente através do poder de Cristo.”

NOVO TEMPO Portugal | Adventist Review online