Notícias Nacionais

O dia 3 de março ficará na história da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Portugal como aquele em que, pela primeira vez, a mais alta figura do Estado visitou uma Igreja Adventista e participou nos seus serviços de culto.

Na sequência do convite dirigido pela Igreja na reunião realizada a 12 de fevereiro último, no Palácio de Belém, o Sr. Presidente da República Portuguesa, Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, visitou a Igreja de Lisboa – Central no passado Sábado, dia 3 de março.

Nos momentos que antederam o Culto Solene, o Presidente da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia, Pastor António Amorim, agradeceu a visita do Sr. Presidente da República, felicitando-o pela ação no curso do seu mandato, em favor dos mais frágeis e desfavorecidos. Em nome da Igreja, ofereceu ainda ao Sr. Presidente da República uma Bíblia com a tradução de João Ferreira de Almeida, impressa em 1809 e doada por uma família da Igreja de Lisboa – Central; uma fachada do edifício histórico da mesma Igreja; e um cartão digital personalizado com um vídeo da história da Igreja Adventista em Portugal.

De seguida, o Sr. Presidente da República usou da palavra, iniciando a sua intervenção com uma referência ao “sinal do apreço que tenho pelas mais diversas confissões religiosas radicadas no nosso país”, em termos pessoais e como Presidente da República, que tem levado a que, desde o início do seu mandato, tenha vindo a visitar as diversas comunidades presentes em Portugal. Depois, enumerou um conjunto de princípios em que assenta o quadro constitucional e legal português, entre os quais a não confessionalidade do Estado, a não discriminação em função da religião, o tratamento equitativo das igrejas e credos e o avanço da lei da liberdade religiosa, de 2001. Este quadro pressupõe “não indiferença, mas assunção de dever de colaboração com Igrejas e comunidades religiosas radicadas em Portugal, tendo em vista a promoção dos direitos das pessoas, o desenvolvimento integral de cada pessoa, os valores da paz, da liberdade, da solidariedade e da tolerância”, referindo que “este conjunto de valores é um ponto de encontro entre o Estado Português e a Igreja Adventista do Sétimo Dia”.

O Sr. Presidente da República referiu-se, então, diretamente à Igreja Adventista do Sétimo Dia e à sua presença em Portugal, com as palavras:

“Com uma história já antiga e uma linhagem ilustre, a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem uma integração conhecida e respeitada na sociedade portuguesa. Os valores e os princípios que proclama, recolhendo o influxo do cristianismo, são os valores e os princípios da dignidade humana, do respeito pelo outro e da solidariedade”.

Salientou ainda a ação assistencial da Igreja pelo mundo, através da ADRA, o trabalho de promoção da paz e dos direitos humanos e a prática de uma doutrina ética condizente com os princípios norteadores da doutrina religiosa. 

Nas últimas palavras desta intervenção, o Sr. Presidente da República manifestou que “foi com enorme júbilo que aceitei o convite para hoje aqui estar convosco, para melhor conhecer os vossos anseios e inúmeras realizações, para partilhar de um momento qualificado do vosso culto”, desejando que “continuem a vossa ação como até aqui, livres de constrangimentos do Estado, mas sempre vigilantes na defesa dos valores éticos em que assenta a sociedade portuguesa e constituem o nosso património moral”, terminando com as palavras: “Em nome de Portugal, muito obrigado a todos vós”.

Nos momentos de Culto Solene, e após os serviços litúrgicos iniciais, Gerson Coelho interpretou o hino “Pai Nosso”, acompanhado ao piano por João Domingos. O Sermão esteve a cargo do Pastor António Amorim, Presidente da União, que, usando textos de Isaías 58, Lucas 4 e Lucas 9, pregou sobre a verdadeira adoração se basear no serviço aos que mais sofrem, o exemplo da missão de Jesus e o legado que deixou aos Seus discípulos para o alívio e a libertação da humanidade, respetivamente. O Culto Solene encerrou com um extraordinário e comovente momento de louvor, através da interpretação do hino “Cidade Santa” por Nathalie Gal, com um Coro, seguindo-se a Bênção Pastoral final, pelo Pastor Júlio Carlos Santos.

À saída, o Sr. Presidente da República registou a sua presença neste dia e neste local, através de uma mensagem escrita no Livro de Honra da Igreja. Entrevistado pelos vários jornalistas presentes para cobrir a sua visita, afirmou que pretende manifestar, através do seu mandato, “proximidade não apenas em relação às pessoas, mas também às comunidades religiosas e àqueles que não têm crença ou fé”. Explicou, ainda, o objetivo desta visita, dizendo que “agradeci a esta Igreja o contributo que tem dado no domínio da construção da justiça e da solidariedade social, para um Portugal mais humano, mais fraterno e mais solidário, um agradecimento de todos os portugueses”.

Depois, o Sr. Presidente da República cumprimentou todos os presentes numa igreja completamente cheia, à medida que iam saindo, manifestando cortesia e simpatia, o que cada um devolvia com palavras de apreço e gratidão.  

Esta foi uma cerimónia histórica, vivida de uma forma direta e particular por aqueles que a acompanharam presencialmente, mas também pelo conjunto da Igreja em Portugal. Ela testemunha do papel que a Igreja procura desempenhar ao estar ao serviço da sociedade, bem como do ambiente social no nosso país em relação ao fenómeno religioso e ao relacionamento entre o Estado e as confissões e destas entre si. Mas também da ação pessoal e oficial da Presidência da República na inclusão das comunidades religiosas e da valorização da sua ação no nosso país.

Pela parte da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Portugal, esta foi uma oportunidade, que acreditamos ter sido oferecida por Deus, de apresentar o culto reverente que Lhe prestamos em cada Sábado, tendo o privilégio de o partilhar e de ver nele participar, pela primeira vez, o mais alto representante do estado e do povo português.

HOPE Portugal | Departamento de Comunicação / Departamento de Liberdade Religiosa e Assuntos Públicos

Fotos e Intervenção do Presidente da República: ©Presidência da República, www.presidencia.pt (Notícias, 3 de março)